3. Península de Ismael

   Diversos são os nomes pelos quais os povos de religião muçulmana são referidos na História de Portugal como Árabes, Sarracenos, Berbéres entre outros. Eis a origem de cada um desses nomes

   Na História de Portugal, surgem frequentemente referências a nomes como Muçulmanos, Mouros, Sarracenos, Mamelucos ou mesmo os Berbéres. Modernamente surge também o incorreto Islamita. Apesar de serem frequentemente usadas como nome para os conquistadores muçulmanos da Península Ibérica no século 8, não o são verdadeiramente.

   Mouro é uma palavra que chegou ao Português (e outras línguas românicas) através do Latim «Mauro», que dMauritaniaesignava os originários do Norte de África. No império romano, existiam 2 Mauritânias (Mauretania Tingitana e a Mauretania Caesariensis, daí o nome do moderno país Mauritânia), onde vivia o povo Mauri. Através da evolução das línguas, «Mauro» tornou-se «Mouro» (Camões referiu-se ao «furor Mauro» nos Lusíadas).
A palavra «moreno» deriva de «mouro».

Sarracenos eram um povo que habitava na península Arábica (referidos por Ptolomeu, no século 2 DC, como Sarakenoi) mas que não eram muçulmanos (a religião islâmica surgiu apenas no século 7 DC) e tinham a fama de viverem em tendas no deserto e fazerem pilhagens no Império Bizantino, através do qual o nome chegou às línguas europeias. Os sarracenos eram descritos como um povo militarmente hábil que se opunha ao Império Romano, que os classificava como bárbaros.

Mameluco
Mameluco

Mamelucos foram o grupo de elite militar de várias sociedades muçulmanas, que existiu entre os séculos 9 e 19. Originalmente eram escravos tornados guerreiros (que é o significado original de Mameluco) mas cujo poder e influência política cresceu entre os séculos 9 e 19, tendo subido ao poder no Egito durante a Idade Média.

Berbéres (do termo grego bàrbaros, βάρβαρος) são um grupo étnico do norte de África que se estende do Atlântico ao Egipto e que tiveram um papel fundamental na conquista muçulmana da Península Ibérica no século VIII.

IslãoMuçulmano (da palavra árabe “aslama“, que significa “submetido a Deus”) é todo aquele que professa a fé islâmica, sejam ou não árabes (naturais da Arábia).
O neologismo em voga tem sido «Islamita» mas Muçulmano existe com esse significado. Seria compreensível «Ismaelita», de «Ismael». As 3 principais religiões monoteístas (Judaísmo, Cristianismo e Islamismo) dizem-se descendentes de Abraão. Os seus dois primeiros filhos tinham os nomes de Ismael e Isaac. Ismael, o mais velho (referido pelos textos sagrados das três religiões), é encarado como o antepassado dos Árabes (e logo dos Muçulmanos) e o segundo mais velho, Isaac, como o antepassado da religião Judaica (e consequentemente da Cristã, já que esta surgiu como uma seita da primeira). Assim, Ismaelitas são os filhos de Ismael e logo são os Árabes e os Muçulmanos em geral.                             Há também um grupo religioso Shiita com este nome, por seguirem os ensinamentos de Isma’il ibn Jafar.

Nem todos estes grupos muçulmanos tiveram o mesmo peso na conquista da Península Ibérica mas estes termos são frequentemente usados como sinónimos. Mas é importante saber a distinção entre eles.

   O Quarto Crescente não é o símbolo do Islão, era apenas o símbolo do Império Otomano e adotado pelos países muçulmano do Médio Oriente que lhe sucederam. Muitos países muçulmanos não têm o quarto crescente na sua bandeira, como a Indonésia, Marrocos, Sudão, Afeganistão, Iémen, Nigéria, Somália…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *