40. Quinta Flor do Lácio

   Estamos no ano 2017. Desde o século 6, toda a Europa de Leste foi ocupada pelos povos eslavos… Toda? Não! Uma antiga província romana povoada por irredutíveis Dácios resiste ainda e sempre aos invasores linguistas. E a vida não é nada fácil para as guarnições de línguas eslavas que a rodeia…

   É a antiga província romana da Dácia, que ocupava os territórios das atuais Moldávia e Roménia, que fazem fronteira com a Ucrânia, Sérvia, Bulgária (línguas eslavas) e Hungria (língua urálica como o Finlandês e o Estónio). A personagem Drácula, de que se falou os artigos Drácula mordeu Inês de CastroVampiros impossíveis, era da Transilvânia, que faz parte da atual Roménia e é vizinha da Moldávia.

Em 106 DC, o Império Romano anexou o Reino Dácio, quando o imperador romano Trajano (53-117), após 2 difíceis campanhas militares, derrotou o rei dácio Decébalo, que tinha já derrotado o anterior imperador romano Domiciano (51-96). Mas nem toda a Dácia foi ocupada por colonos romanos: a nordeste da colónia romana, viviam ainda Dácios fora do controlo romano (na atual Moldávia). Estes, aliando-se mais tarde ao povo germânico Godo, revoltaram-se e lutaram contra os romanos e atacaram a Dácia romana. Causaram tantas dificuldades e problemas que a Dácia foi a primeira colónia romana a ser abandonada (em 270), o primeiro passo do caminho que, após 200 anos, levaria à queda do Império Romano do Ocidente (em 476). Mas, apesar disso, a região, a língua e a cultura continuam a identificarem-se com os romanos e a cultura latina (razão porque escolheram, em 1866, chamar o país de Roménia. O nome Moldávia vem do rio Moldova que atravessa o país).

   As 4 línguas latinas mais conhecidas são o Espanhol (410 milhões de falantes, principalmente no México e América do Sul), Português (250 milhões, principalmente no Brasil), Francês (80 milhões, principalmente em África) e Italiano (60 milhões). Mas o Daco-Romeno (25 milhões), falado na Roménia e Moldávia, é também uma “flor do Lácio” (no soneto “Língua Portuguesa”, o poeta brasileiro Olavo Bilac (1865-1918) descreve a língua portuguesa como a “última flor do Lácio, inculta e bela”. Lácio é a região em Itália onde se situa a cidade de Roma e de onde eram originários os Romanos e Olavo Bilac foi um dos fundadores da Academia Brasileira das Letras, que tanta falta faz que haja em  Portugal, como visto no artigo Phases: AO de 1911).

    Da mesma forma que o Português falado no Brasil conservou algumas características da língua que já se perderem em Portugal (como o nome da cor “marrom“, de que se falou no artigo Palavras coloridas), também o Daco-Romeno (Moldavo e Romeno) preservou características do Latim que as outras línguas românicas em parte perderam, nomeadamente a maioria das declinações (que o Inglês também perdeu do seu antepassado Alemão e o Português conserva tenuamente nas palavras “comigo”, “contigo” e “convosco”). O vocabulário da língua é 63% de origem latina, 11,5% de origem eslava e o restante de diversas línguas da região (turco, grego, húngaro, alemão), ainda que, das 2500 palavras mais usadas, 76% sejam de origem latina e 15%  de origem eslava. Algumas exemplos de palavras de origem eslava são: a iubi (amar), prieten (amigo), a găsi (encontrar), a plăti (pagar), a trezi (acordar).

    Vendo a estrutura, gramática e ortografia da língua, é fácil verificar como é tão latina como o Português, apesar do seu isolamento geográfico em relação a outras línguas latinas:

   Para mais semelhanças entre as duas línguas, veja-se a letra em português da música da banda moldava O-Zone: Dragostea din tei

 Uma das características particulares do Português é a cedilha que se coloca debaixo da letra C alterando-a para Ç e mudando o som para um “S” (mas somente é usada antes de “A”, “O” ou “U”, uma vez que C antes de “E” ou “I” se lê sempre como “S”): MACA > MAÇÃ, CEGO e nunca ÇEGO, ÁCIDO e nunca ÁÇIDO, CACO > CAÇO, ACUDE > AÇUDE. E também há o uso da cedilha em Daco-Romeno debaixo das letras S e T >  Ș e Ț, mudando também o som das letras. Assim, há Bom dia (Boa manhã) > Bună dimineaţa (Buna diminaTSa) e Quiosque > Chioșc (QuióSC).

   Existe, em Roma, uma coluna com cerca de 40 metros de altura que o imperador Trajano mandou construir para celebrar a sua difícil vitória sobre os Dácios. Chama-se Coluna de Trajano e todo o seu exterior é coberto com cenas dos combates entre os Romanos e os Dácios.

     Pormenor de uma batalha entre os Romanos e o Dácios na Coluna de Trajano

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *