101. Cartão do Cidadão

Como se atribuem os números do Cartão do Cidadão em Portugal, como são usados para detetar fraudes e substituir dígitos em falta e o Bilhete de Identidade número 1.

   O Cartão de Cidadão português possui um número próprio que o diferencia de todos os demais. É constituído por 8 algarismos (cartões menos recentes terão 7), seguidos de um dígito, duas letras e outro dígito. No Brasil, o documento equivalente chama-se Cédula de Registro Geral mas as pessoas referem-se ao número como o seu RG. O Brasil tem planos de já vários anos para um RG eletrónico chamado Registro de Identificação Civil (RIC).

   Cada um dos dígitos suplementares são dígitos de controlo e servem para verificar se o número está bem escrito (aquando da emissão do Cartão de Cidadão), para permitir o cálculo de algarismos ilegíveis no número. As duas letras seguintes referem-se apenas à ordem de emissão do Cartão de Cidadão (se é a primeira ou a segunda ou a sexcentésima septuagésima sexta) e para identificar tentativas de fraude. Todos os cartões começam por ser ZZ e, se for feita uma nova emissão do cartão (por roubo, extravio ou outras razões), a nova emissão recua no alfabeto e a segunda emissão terá as letras ZY, depois ZX, …, PR, PQ, …, AA. É um total de 26×26 = 676 emissões de cartão para cada pessoa para toda a vida (uma média de cerca de 8 cartões por ano pressupondo uma expectativa de vida de 80 anos: 676/80 = 8,45).

   A regra de cálculo para o primeiro dígito de controlo é a mesma dos anteriores Bilhetes de Identidade: para que um número esteja corretamente atribuído multiplica-se o primeiro algarismo por 9 e multiplica-se cada dígito seguinte pelo número natural anterior até chegar a 2 (um número natural é um número inteiro positivo, como visto no artigo Simplesmente Complexo). Soma-se em seguida o dígito de controlo. O resultado dessa operação terá de ser um número divisível por 11, ou seja, deverá dar um número inteiro quando se divide por 11.

   e.g. primeiro: No número do Cartão de Cidadão 23571113 6ZZ6, 2×9 + 3×8 + 5×7 + 7×6 + 1×5 + 1×4 + 1×3 + 3×2 = 137. 137 + 6 = 143 e 143 / 11 = 13. Logo o resultado é um número inteiro e o código passou o primeiro teste de que foi bem atribuído.

   e.g. segundo: No número do Cartão de Cidadão 24681012 1ZZ4, 2×9 + 4×8 + 6×7 + 8×6 + 1×5 + 0×4 + 1×3 + 2×2 + 1 = 153 e 153 / 11 = 13,91. O resultado não é um número inteiro. Então o código não foi bem atribuído.

   Desta forma é possível detetar falsos números de Cartão de Cidadão. A falsificação é assim mais difícil. Mas também permite, em caso de ilegibilidade de algum dígito, reconstruir o número.

   e.g. terceiro: A Polícia descobre uma carteira num descampado com o Cartão de Cidadão 36■12151 8ZZ7. Um dos dígitos do número está irreconhecível. Como fazer para determinar o proprietário? 3×9 + 6×8 + ■×7 + 1×6 + 2×5 + 1×4 + 5×3 + 1×2 + 3 = 115 + ■×7. Substituindo ■ pelos sucessivos dígitos de 0 a 9 obtém-se 115 + 0×7 = 115 / 11 = 10,45; 115 + 1×7 = 122 / 11 = 11,55; 115 + 2×7 = 129 / 11 = 12,18; 115 + 3×7 = 136 / 11 = 12,36; 115 + 4×7 = 143 / 11 = 13. Com o algarismo 4 o resultado é divisível por 11. O número do Cartão de Cidadão é 36412151 8ZZ7.

   Há, no entanto, um erro que foi introduzido nos Cartões de Cidadão e que vem do mesmo cometido nos Bilhetes de Identidade: há cartões cujo dígito de controlo é 10. Obviamente 10 não é um dígito. A solução que Portugal adotou foi usar como dígito de controlo o 0 quando fosse 10. Isto estaria muito bem se não fosse o caso de destruir completamente o algoritmo (que, de uma forma muito lata, é o termo para um conjunto de regras de cálculos que são aplicadas sempre da mesma forma). Por exemplo, o Cartão de Cidadão 36312151 0ZZ4. Usando o algoritmo o número de controlo seria 10, que seria substituído por 0. Ou seja, o número do cartão seria 36312151 0ZZ4. Mas, aplicando agora o algoritmo com o dígito de controlo 0, não se obtém um cartão correto. Obtém-se 133 que, dividido por 11, dá 12,09. Só aplicando o algoritmo com 10 se obtém o número correto (dá 143 / 11 = 13) O algoritmo do código ISBN (Internacional Standard Book Number) é muito semelhante ao algoritmo do código dos Cartões de Cidadão mas aqui as Instituições internacionais que o regulamentam substituem o 10 por X (por causa do Latim). Dessa forma, é possível saber com precisão se um código ISBN foi corretamente atribuído ou não. Este algoritmo para o ISBN, em vez de se multiplicar o primeiro por 9, o segundo por 8, …, multiplica-se o primeiro por 1, o segundo por 2, … e no final soma-se o dígito de controlo multiplicado por 10. O resultado tem de ser divisível por 11.

   e.g. quarto: o maravilhoso livro Gödel, Escher Bach – Laços Eternos (em Portugal. No Brasil é Gödel, Escher, Bach: um entrelaçamento de Gênios Brilhantes) tem como código ISBN 972662709 5. 9×1 + 7×2 + 2×3 + 6×4 + 6×5 + 2×6 + 7×7 + 0×8 + 9×9 + 5×10 = 275 / 11 = 25. O código é portanto correto. Obviamente o ISBN é diferente do código de barras. Num livro, por cima das barras, há o ISBN e, por baixo, o número do código de barras. O código de barras para este livro particular é 9 789726627098. Como é um livro o código de barras começa por 978, que é o indicativo do EAN-13 (European Article Number) para livros.

   Em 2012 (e após uma de experimentação em 2006 nos Açores), o Cartão de Cidadão substituiu o Bilhete de Identidade em Portugal e foi introduzido o segundo dígito de controlo. O objetivo era permitir a identificação eletrónica dos cidadãos portugueses em sintonia com os outros países europeus e agregar documentos que todos os cidadãos possuem: Bilhete de Identidade, NIF, Segurança Social e Cartão do Serviço Nacional de Saúde (cartões como Carta de Condução, ADSE ou Seguros não são obrigatórios ou comuns a todos os cidadãos nacionais). O novo Cartão de Cidadão passou a partilhar, com o BI (em uso desde 1919), o número de identificação mas com mais um dígito extra de controlo. O número inicial de 8 dígitos (7 em cartões mais antigos) é atribuído por ordem de registo (assim, um cidadão nascido em Portugal com o número 99990000 é mais novo do que o cidadão com o número 88880000. A questão da idade falha em casos de naturalização de cidadãos não nascidos em Portugal). O primeiro Bilhete de Identidade, com o número 1, foi emitido para o 1914, para o Presidente Manuel de Arriaga.

   O último dígito é o segundo dígito de controlo e é calculado de forma diferente do primeiro. Começa-se por substituir cada letra por um número entre 10 e 35, sendo A=10, B=11, C=12, …, M=22, N=23, …, R=27, S=28, …, X=33, Y=34, Z=35. Em seguida, da direita para a esquerda, multiplica-se por 2 o segundo algarismo encontrado. Caso a duplicação resulte num número com dois algarismos, subtrai-se 9 (o «velhinho» noves fora nada de que se falou no artigo Noves Fora Nada). Isto acontece sempre que o algarismo a duplicar seja maior ou igual a 5. Assim, 2 corresponde a 4; 3 corresponde a 6; 4 corresponde a 8; 5 corresponde a 1; 6 corresponde a 3; 7 corresponde a 5; 8 corresponde a 7 e 9 corresponde a 9. Soma-se depois todos os valores e o resultado tem de ser múltiplo de 10 para que o número seja correto.

   Eg. quinto: Cartão de Cidadão 99990000 5ZZ1. O primeiro dígito de controlo é 5. Multiplica-se o primeiro dígito por 9, o 2.º por 8, … e o 8.º por 2 e soma-se: 9×9 + 9×8 + 9×7 + 9×6 + 0×5 + 0×4 + 0×3 + 0×2 = 270. Soma-se o primeiro dígito de controlo: 270 + 5 = 275 que é múltiplo de 11 porque 275 / 11 = 25. Este é um número inteiro logo o primeiro dígito de controlo está correto! O segundo dígito de controlo é 1. Converte-se cada letra para o número correspondente: 99990000 5(35)(35)1. Da direita para a esquerda, multiplica-se por 2 cada segundo número que se encontra e subtrai-se 9 caso seja maior ou igual a 10 (apenas se subtrai 9 ao segundo número e não a todos): 9×2 = 18-9 = 9; 9×2 = 18-9 = 9; 0×2 = 0; 0×2 = 0; 5×2 = 10; 35×2 = 70. 18 9 18 9 0 0 0 0 10 35 70 1 → 9 9 9 0 0 0 0 1 35 61 1. Soma-se os valores anteriores: 9 + 9 + 9 + 9 + 0 + 0 + 0 + 0 + 1 + 35 + 61 +1 = 133. Soma-se o segundo dígito de controlo: 133 + 7 = 140. Verifica-se se este valor é múltiplo de 10: 140 / 10 = 14. Este é um número inteiro logo o segundo dígito de controlo está correto. Uma vez que os dois dígitos de controlo estão corretos, este número de Cartão de Cidadão está correto e corresponde a uma primeira emissão.

O uso dos dois dígitos de controlo com algoritmos diferentes de cálculo torna a probabilidade da existência de erros quase nula. Para uma folha de cálculo que faz a verificação automática do número do Cartão de Cidadão ver a folha de cálculo do Cognosco em Validar_Cartão_de_Cidadão.
Atalho para o ficheiro da folha de cálculo corrigido

19 pensamentos em “101. Cartão do Cidadão

  1. My brother recommended I would possibly like this website.
    He used to be entirely right. This submit truly made my day.
    You cann’t consider simply how a lot time I had spent for this info!
    Thanks!

  2. I was recommended this website via my cousin. I am no longer sure whether this post is written by him as nobody else recognize such detailed approximately my problem.
    You are wonderful! Thanks!

  3. I’ve been surfing online more than 2 hours today, yet I never found any interesting article like yours.
    It’s pretty worth enough for me. In my view,
    if all webmasters and bloggers made good content as you did, the internet will be much more useful
    than ever before.

  4. I am really inspired with your writing abilities and also with the format on your weblog.
    Is this a paid theme or did you customize it your self? Either way stay up the nice high
    quality writing, it’s uncommon to peer a great weblog
    like this one nowadays..

  5. desculpem o meu erro ..
    o numero do cartao de cidadao era 12778578-7-ZY0

    agora é 12778578-7-ZX2 ( nao alterei nenhum dado no respectivo CC.
    só fui renovar o cartao de cidadao)

  6. alguem me sabe explicar porque é k o meu antigo CC tinha os numeros 12778578 ZY0
    e o novo( apos renovação) tem as letras ZX2????

    o primeiro cartao k tive era zz qualquer coisa( ja nao me lembro), depois como perdi o cartão, ele passou a ter as letras ZY0, e agora renovei-o em setembro de 2020 e traz as letras ZX2?????

  7. Muy buen artículo , saben cómo se sacan los demás dígitos de control del reverso , los del DNI español los averigüe, pero no logro completar los del cartao

  8. O que me intriga nos números do CC é que, quando eu nasci, havia cerca de 8 milhões de portugueses; o número do meu CC, antes do BI, tem só 6 dígitos: é inferior a 1 milhão. Será que nessa altura só pouco mais que 10% dos portugueses tinham BI? Mas mais intrigante é uma pessoa próxima e mais nova tem só 4 dígitos no CC (fora os muito zeros que agora põem). Como é possível?

  9. Muito interessante o site. E curioso, estava a pesquisar sobre o dígito de controlo e caí aqui, onde está o BI do meu trisavô!

  10. O primeiro dígito do CC ser 0 não é estranho, pois tem a ver com o número de dígitos do Cartão de Identidade anterior só ter 7 dígitos. Quando passou a ser CC teria que ter os 8 dígitos, como o numero não pode ser alterado foi acrescentado o 0 para poder cumprir o critério dos 8 dígitos.

Responder a cheap flights Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *