11. Maria: bolacha real

   A história e a origem do nome da famosa no mundo inteiro: a bolacha Maria.

   Uma das bolachas mais populares, apreciadas e consumidas no bolacha-mariamundo é também popular e comida em Portugal: a Bolacha Maria. É uma bolacha com uma grande forma redonda, coma o nome “Maria” (ou Marie, María, Mariebon ou Marietta), com bordas com padrões ondulados, punções pequenas e circulares na superfície para facilitar a absorção de líquido quando é mergulhada em chá, café ou leite, uma composição seca e cuja receita original inclui farinha de trigo, açúcar, óleo vegetal e essência de baunilha (a composição muda ligeiramente nas bolachas produzidas por processos industriais, nomeadamente no uso da baunilha).

   É considerada uma bolacha saudável mas isso varia com a receita usada pelos fabricantes: alguns usam em gorduras saturadas (como óleo de palma ou óleo de coco), algumas têm chocolate ou outros ingredientes mas ou menos saudáveis, alguns usam extrato de baunilha. O seu aspeto e composição mantêm-se parecidos nos diversos países onde é produzida e também o seu nome. Países onde é produzida e apreciada incluem  Austrália, África do Sul, Brasil, Canadá, Costa Rica, Dinamarca, Egito, Espanha, Finlândia, Filipinas (de que se falou em Galões pacíficos), Inglaterra, Índia, Indonésia, Irlanda, Japão, Malásia, Maurícias, México (de que se falou em Tripla lição), Nepal, Noruega, Panamá, Paquistão, Portugal, República Dominicana, Rússia, Suécia, Sri Lanka (de que se falou em Lágrima do Leão), Venezuela,  Ucrânia, Uruguai,  Zimbabué, entre muitos outros.

Grã-Duquesa Maria Alexandrovna da Rússia, 1874

  Mas quem é a Maria que lhe deu o nome? Terá sido a sua criadora? Será a filha de quem primeiro a desenvolveu (como aconteceu com os carros Mercedes, produzidos pelo industrial alemão Benz, que têm o nome da filha Mercédès Jellinek do engenheiro austríaco que criou essa linha de carros para a Daimler-Benz)? Alguma referência religiosa? Este é o rosto da Maria que lhe deu o nome: Grã-Duquesa Maria Alexandrovna da Rússia (1853–1920), tia do último Czar russo Nicolau II. Nascida no final do século XIX na Rússia, esta princesa real casou, em 1874, com o príncipe Alfredo, o segundo filho da Rainha Vitória de Inglaterra. Ela foi, ao longo da sua vida, grã-duquesa russa (filha do czar Alexandre II da Rússia, conhecido como "o Libertador") e princesa e duquesa real inglesa  e alemã (casada com o príncipe Alfredo, duque de Edinburgo e de Saxe-Coburgo-Gota). Muito consciente do seu estatuto de filha do czar russo, teria ficado chocada ao saber que o seu nome está associado a uma bolacha de gosto popular e simples.

   A sua vida na Inglaterra não foi feliz mas quando, em 1893, a família foi viver definitivamente na Alemanha tornou-se mais feliz e ativa nos empreendimentos culturais e obras de caridade. O seu primeiro filho (de entre nove que teve) Alfredo, que tinha a alcunha de “Jovem Affi”, e sofria de sífilis, suicidou-se aquando das comemorações do 25 anos de casamento dos pais, talvez por uma alucinação causada pela doença. O príncipe Alfredo (pai) morreu de cancro durante a vida da sua mãe Vitória, tendo morrido duas semanas após o suicídio desse esse seu único filho. Os seus parentes russos morreram ou foram exilados pela Revolução Russa de 1917 e o marido perdeu o título e as propriedades alemãs após a Primeira Guerra Mundial.

   rich_teaPara comemorar o casamento da princesa Maria em 1874 (cem anos antes do 25 de Abril em Portugal), o pasteleiro inglês Peek Freans alterou a receita da bolacha inglesa Rich Tea, tornando-a de sabor e textura mais leve, consistência mais mole (desfaz-se facilmente quando mergulhada em líquido, ao contrário da bolacha Rich Tea) e introduziu o sabor a baunilha. A bolacha Maria tornou-se popular por todo o mundo, através do Império Britânico. Ganhou apreço e grande consumo na Península Ibérica (Portugal e Espanha), após o fim da Guerra Civil Espanhola (1926-1939), onde foi usada como medida propagandista pelo Governo de Francisco Franco para ilustrar o excesso de produção de trigo em Espanha após a vitória fascista e daí espalhou-se para os países da América do Sul.

padrao-bolacha-maria   O padrão intrincado das bolachas Maria é também recorrente em quase todas as bolachas produzidas  nos diversos países e é um padrão russo popular na altura do casamento da princesa Maria e ainda pode ser encontrado em vários edifícios.

Na página travelblog.org/Europe há fotografias de pacotes de bolacha Maria do Mundo inteiro.

2 pensamentos em “11. Maria: bolacha real

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *