127. Caracóis de Vacanti

Dos erros de percepção às ilusões visuais, a estrutura do ouvido, vertigens e o rato com uma orelha nas costas.

   A capacidade de organizar, identificar e interpretar as informações recolhidas pelos sentidos do corpo de forma a representar e compreender o meio ambiente é chamada Percepção (do Latim perceptio), estudada no âmbito da Psicologia  Aplicada. Uma das habilidades da percepção é a capacidade de distinguir um objeto ou figura do fundo que o rodeia usando vários tipos de indicações (de natureza probabilística) como o tamanho relativo (geralmente as figuras mais distances são mais pequenas), a sua forma (as figuras tendem a ser convexas), o movimento (as figuras podem estar a mover-se sobre um fundo estático), a cor (as figuras podem ter cores distintas do fundo) ou a atribuição da linha de fronteira entre o fundo e a figura. Na base de muitos erros de percepção e diferenças de opinião surgem pelas maneiras como diferentes cérebros processam as informações probabilísticas que recebem. Em 1915, o psicólogo dinamarquês Edgar John Rubin (1886-1951) criou uma série de imagens para o seu livro em dois volumes Synsoplevede Figurer (Figuras Visuais) detalhando várias formas como as figuras e o fundo são processados pelo cérebro e como diferentes interpretações (ou ilusões) da mesma imagem surgem dependendo do que processado como figura ou como fundo.

   De entre os sentidos humanos, contam-se a Visão, Audição, Cheiro, Olfato ou o Gosto, os sentidos mais identificados. Há outros sentidos como o sentido da temperatura (termocepção), movimento (propriocepção), dor (nocicepção), equilíbrio (equilibriocepção), vibração (mecanorecepcão) e vários estímulos internos como os diferentes recetores químicos para detetar as concentrações de sal e dióxido de carbono no sangue ou a fome ou a sede.

   O sentido da Audição surge como respostas às informações recolhidas pelos Ouvidos, constituídos por 3 partes. Há o ouvido exterior (a parte protuberante feita de cartilagem e mais ou menos 2 centímetros do canal auditivo) que recebe e transmite as ondas sonoras para o interior, onde são convertidos em sinais que o cérebro interpreta. Há o ouvido médio, preenchido com ar e que contém os ossos mais pequenos do corpo humano, como o martelo, bigorna e estribo e as Trompas de Eustáquio, as estruturas que a Evolução adaptou das guelras do peixes nossos antepassados como se falou no artigo Tentilhões marcados. Há também o ouvido interno que inclui a cóclea, do Antigo Grego κοχλίας kōhlias, espiral ou casca de caracol, que transmite as informações auditivas para  o cérebro e que tem a perilinfa, o líquido cujas movimentações permitem o sentido do equilíbrio.

   Mesmo de olhos fechados alguém que inclina a cabeça sente essa inclinação através do deslocamento desse líquido e o cérebro pode fazer os ajustes necessários para manter o equilíbrio do corpo. Quem sofre alguma patologia que lhe afete o ouvido interno sente o mesmo tipo de tontura e indisposição de quem é transportado de carro e não consegue se manter direito.

   Há dois tipos de equilíbrio de que o cérebro recebe informações pelo ouvido interno: o equilíbrio estático (a orientação da cabeça em relação ao solo) e o equilíbrio dinâmico (a orientação da cabeça em relação ao movimento do corpo). Quando se está num carro em movimento, os sensores de equilíbrio estático no ouvido interno informam o cérebro de que o corpo está parado (em relação ao carro). Esta informação é corroborada pelos olhos. No entanto, os sensores de equilíbrio dinâmico sentem o movimento do carro e portanto informam o cérebro de que o corpo está em movimento.

   É esse conflito de informações com que o cérebro não consegue lidar e enquanto tenta gerir a crise envia sinais de alarme ao corpo. A parte mais sensível do corpo a esses sinais é infelizmente o estômago. Surge assim a indisposição ligada ao movimento. Quem conduz não sente o mesmo tipo de indisposição do passageiro pois o nível de conflito no condutor é menor uma vez que a sua mente está concentrada no movimento do carro. Assim as informações de que está estático são ignoradas pelo cérebro que está a gerir o controlo do movimento do carro. Poderá também explicar porque por vezes quem se encontra sentado nos bancos traseiros não se sente tão rapidamente enjoado. O passageiro dianteiro vê a estrada em movimento à sua frente, enquanto o passageiro traseiro verá principalmente o banco estático que se encontra à sua frente.

   Esta é também a razão pela qual quando se gira subitamente (ou continuadamente) o corpo se sente essa mesma indisposição no momento em que se pára. Apesar do corpo parar e os olhos informarem o cérebro de que está em repouso, o líquido do ouvido interno continua em movimento (como uma panela com água que se mexeu com a colher. Mesmo que se pare de mexer, a água continua em movimento durante algum tempo). Novamente o cérebro recebe informações contraditórias. Os olhos informam o cérebro de que não há movimento mas no ouvido interno os sensores de movimento dinâmico ainda recebem a informação de movimento (só que é só do líquido, mas não têm como distinguir as suas situações).

   O ouvido externo, conhecido como orelha, é constituído por cartilagem. Em 1997, o investigador norte-americano Charles Vacanti (nascido em 1950) era cirurgião pediátrico. Através de conversas com os seus colegas, constatou que um dos órgãos mas difíceis de reconstruir era a orelha. Ele e o seu irmão Joseph decidiram criar uma orelha nos laboratórios de Anestesiologia na Faculdade de Medicina da Universidade de Harvard para abrir as portas à criação de órgãos para transplante.

   Para o fazerem, criaram um estrutura com a forma e tamanho de uma orelha com um material biocompatível e absorvível pelo corpo. Colocaram então algumas células vivas de cartilagem sobre a estrutura e colocaram numa incubadora. Depois das células de cartilagem crescerem e cobrirem a estrutura, retiraram-na da incubadora e colocaram-na debaixo da pele das costas do rato. Depois de verificarem que a orelha artificial estava viva dentro do rato, retiraram-na e o rato sobreviveu à experiência. Em 1999, a BBC soube da experiência e fizeram um documentário sobre técnicas de criação artificial de órgãos. Os irmãos Vacanti chamaram ao rato Euriculosaurus mas o mundo ficou a conhecê-lo como Rato de Vacanti.

7 pensamentos em “127. Caracóis de Vacanti

  1. It’s a shame you don’t have a donate button! I’d definitely donate to this superb blog!
    I guess for now i’ll settle for bookmarking and adding your RSS feed to my Google
    account. I look forward to fresh updates and will share this site with my Facebook group.
    Talk soon!

  2. Hello there, I think your site might be having web browser compatibility problems.
    Whenever I take a look at your blog in Safari,
    it looks fine however, when opening in IE, it has
    some overlapping issues. I just wanted to provide you with a quick heads up!
    Other than that, fantastic site!

  3. Hey there! I know this is kind of off topic but I was wondering which blog platform are you
    using for this website? I’m getting sick and tired of WordPress because I’ve had problems with hackers and I’m looking
    at options for another platform. I would be awesome if you could point
    me in the direction of a good platform.

  4. Great article! That is the kind of info that are meant to be shared across the internet.
    Disgrace on Google for now not positioning this publish upper!

    Come on over and consult with my site . Thank you =)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *