131. Vândalo civilizado

Desde a Suécia à Polónia, à França, à Península Ibérica e ao Norte de África: a história do povo que vandalizou o Império Romano mas que o preservou, que deu nome a um reino de Espanha, que é associado a pilhagens e destruições mas que não foram mais do que os seus contemporâneos.

   A definição da palavra portuguesa «vândalo»: pessoa que danifica deliberadamente bens públicos ou privados, como monumentos históricos, obras de arte ou de valor. E esta palavra está firmemente implantada no léxico de muitas línguas europeias, tanto de origem latina (Castelhano: vándalo; Francês: vandale; Italiano: vandalo; Romeno: vandal), como germânica (Alemão: vandale; Dinamarquês: vandaale; Inglês/Sueco: vandal), eslava (Russo/Búlgaro/Ucraniano: вандал «vandal»; Polaco: wandal; Eslovaco: vandalský) ou mesmo urálica (Finlandês: vandaali; Húngaro: vandál). A semelhança do mesmo termo em línguas de origens tão diferentes aponta para uma origem comum, talvez ligada à outra definição para a palavra «vândalo»: povo germânico que, por volta do século V, invadiu e devastou a Hispânia e o Norte da África, onde fundou um reino.

   Será merecedor de tão pesada definição este povo? Em artigos anteriores como Polimático Possidónio, verificou-se que que o uso corrente que se dá de «Possidónio» não faz jus à grande pessoa que foi o filósofo Possidónio, figura maior do Estoicismo. Também, em Viver antes de morrer, se verificou que a História do Marechal La Palisse em nada corresponde ao uso caricatural que se faz do seu nome. Este povo era originário de Vendel, na Suécia e imigrou para a região da atual Polónia, na Silésia, no século 2 AEC. Ao lado da fronteira portuguesa existe toda uma vasta região cujo nome se deve a este povo.

   Quando Júlio César (100-44) entrou na Gália (moderna França) fê-lo para ajudar os Gauleses contra as investidas militares dos povos Germânicos. Repeliu-os mas acabou por ficar na Gália e, após longas campanhas militares, conquistou-a. Em 52 AEC, derrotou Vercingetórix, líder gaulês, e toda a região ficou controlada. Entretanto, aproveitando a ausência de César, os seus adversários políticos em Roma começaram a conspirar contra ele. Foi quando proferiu a célebre frase «Os dados estão lançados» como referido no artigo Dados combinados. Ao lado da Gália estendia-se a vasta região conhecida pelos romanos como Germânia. Esta era habitada por vários povos diferentes, chamados conjuntamente de Germânicos pelos romanos.

   A altura média dos povos na altura eram bem diferentes, a julgar pelos seus esqueletos entretanto encontrados. Os povos eslavos tinham uma média de alturas de cerca de 1,65m; os Romanos cerca de 1,67m; os povos iberos cerca de 1,70m; os povos celtas cerca de 1,75m e os povos germânicos cerca de 1,78m. A diferença de alturas (cerca de 10 centímetros) assustava os soldados romanos quando enfrentavam povos germânicos e era preciso incentivos psicológicos para manter os povos germânicos sossegados e os soldados romanos tranquilos. César, para mostrar a capacidade das suas legiões, mandou construir uma ponte de madeira a atravessar o rio Reno. A ponte, com perto de 400 metros de comprimento e 8 metros de largura, demorou 10 dias a ser feita e atravessa o rio Reno (algures entre as modernas cidades de Andernach e Neuwied) num ponto com perto de 9 metros de profundidade e fortes correntes. César atravessou a ponte, demonstrou o poderio militar romano e a sua capacidade de ir onde quisesse e voltou para trás, destruindo a ponte. A demonstração de César revelou-se bastante eficaz e, durante os 600 anos seguintes, os povos germânicos mantiveram-se na sua área e não atravessaram a fronteira romana.

   No século 4, os Hunos, vindos da Ásia, irromperam na Europa. Os povos germânicos (Godos, Francos, Anglos, Saxões, Vândalos) atravessaram o rio Reno, no século 5, para escaparem aos exércitos hunos. Os Godos dividiram-se em dois ramos (Ostrogodos e Visigodos), os Francos ocuparam a Gália (que viria a adoptar o seu nome, vindo a ser conhecida como França), os Anglos e os Saxões ocupam a Bretanha, os Vândalos  em atacaram as desmoralizadas legiões romanas, no rio Danúbio, instalando-se, após um tratado de paz com os Romanos, na Dácia (Roménia e Moldávia, como visto no artigo Quinta Flor do Lácio) e Hungria. Mas as pressões hunas prosseguiam e os Vândalos, no ano 400, juntamente com os seus aliados, os Alanos (do moderno Irão) e os Suevos (outro povo germânico) penetraram mais profundamente no território romano. Os três povos chegaram à Gália, dominada já pelos Francos, e encontraram enorme resistência. Através de várias batalhas e terríveis devastações pelas terras por onde passavam, chegaram aos Pirinéus, a cordilheira montanhosa que separa a Gália da Ibéria.

   No sentido de os apaziguar, os Romanos deram-lhes «permissão» para se estabelecerem na península ibérica: os Suevos ficaram com o parte do Noroeste da Península (Galiza e norte de Portugal), os Alanos com a Lusitânia, os Vândalos ficaram com o sul da península, os Visigodos, que chegaram depois, estabeleceram-se no sul da Gália e nordeste da península (os Visigodos derrotaram depois os Alanos e entregaram a coroa alana ao Rei Vândalo). A região que os Vândalos ocuparam, na atual Espanha, era conhecida como Vandaluzia. Os Árabes, muitos séculos depois, chamaram à península Al-Andaluz, como chamaram à parte ocidental (correspondendo mais ou menos à antiga  LusitâniaAl-Garb. De Al-Andaluz (a anterior Vandaluzia sem o «V») veio o nome Andaluzia, nome da região espanhola e de Al-Garb veio o português Algarve.

   O uso do termo «vândalo» surgiu historicamente como consequência da entrada dos Vândalos na cidade de Roma. Os Vândalos atravessaram a Gália, instalaram-se na Península Ibérica. Após chegarem à Península, não se limitaram a cruzar os braços e a saborear os frutos das suas vitórias contra os Romanos e outros povos. Em 429, aproveitando distúrbios políticos no Império Romano (do Ocidente), cruzaram o Estreito de Gibraltar e atacaram as províncias romanas do Norte de África, que foram atravessando e conquistando até chegarem às muralhas de Hippo Regius (Annaba, cidade o norte da Argélia onde séculos depois parte da compensação da Primeira Guerra Mundial da Áustria-Hungria para Portugal se fundou, como visto no artigo Grande Gripe), cidade a que fizeram um cerco de 1 ano. Finalmente um acordo de paz foi feito com os Romanos, em 435, que os Vândalos quebraram 4 anos depois, em 439, quando conquistaram a cidade de Cartago e formaram o Reino Vândalo e Alano no Norte de África.

   Com base no Norte de África e nas ilhas Baleares, Sicília, Córsega e Sardenha, principiaram uma era de pirataria e pilhagem no Mar Mediterrâneo. Até 453, ano da morte de Átila o Huno, os Romanos pouco fizeram para combater a frota vândala que pilhava as cidade costeiras do Império Romano do Oriente e do Ocidente. Mas, a partir desse ano, com a ameaça huna diminuída, os Romanos decidiram prestar mais atenção aos piratas vândalos que lhes assolavam a costa. Longe do poderio militar romano de outrora, o Imperador Valentiniano III (419-455) ofereceu a mão da sua filha de 5 anos Eudócia em casamento ao filho Huneric (que já era casado) do rei vândalo mas um usurpador de nome Petrónio Máximo assassinou o imperador romano para se apoderar do trono. A imperatriz enviou então um pedido de ajuda ao filho do rei vândalo e, como resposta ao pedido, a frota vândala aproximou-se da costa italiana e tomou a cidade de Roma, em 455. Partiram então, com a Imperatriz e as suas duas filhas (Eudócia e Placida) com inúmeros tesouros romanos, incluindo os despojos do Templo de Jerusalém e regressaram a Cartago. O clima político com o Império Romano do Oriente, único sobrevivente do império romano, situado no Mediterrâneo oeste, com capital em Constantinopla (actual cidade de Istambul, na Turquia, mas não a sua capital, que é Ancara) estabilizou-se, exceptuando as tensões religiosas decorrentes do facto dos Vândalos serem Cristãos Arianos e os Bizantinos (nome porque passarem a ser conhecidos os romanos do oriente) serem Cristãos Ortodoxos.

   Então, em 477, com 88 anos, morreu o rei Vândalo Geiseric (389-477), que tinha sido coroado quando os Vândalos entraram no Norte de África. O Reino Vândalo foi progressivamente declinando de poder e influência. Quando os Muçulmanos do Norte de África (conhecidos como Mouros) venceram militarmente as tropas vândalas, o Imperador Bizantino Justiniano I (482-565) declarou guerra aos Vândalos, argumentando que estes não protegiam os Cristãos Ortodoxos do Reino dos exércitos infiéis dos Mouros. Os Bizantinos tomaram Cartago, em 533, e um ano depois, em 534, vencerem finalmente os Vândalos, tornando novamente o Norte de África uma província romana. O império bizantino foi sendo progressivamente conquistado pelos Muçulmanos até à queda de Constantinopla, em 1453. Falou-se na diferença entre Árabes, Muçulmanos, Mouros, Sarracenos no artigo Península de Ismael.

   Apesar do termo «vandalismo» remeter para violência desmedida, o que é certo é que os Vândalos foram até bastante civilizados quando entraram em Roma a pedido da Imperatriz, apenas levaram tesouros e não há quaisquer evidências de que tenham tocado numa única casa ou monumento romanos. Na verdade, Roma foi saqueada pelo menos 7 vezes ao longo da sua História: em 387 pelos Gauleses, que saquearam a cidade; em 410 pelos Visigodos, que saquearam a cidade durante 3 dias; em 455 pelos Vândalos, que levaram os tesouros da cidade; em 546 pelos Ostrogodos, que a saquearam e escravizaram a sua população; em 846 pelos Árabes, que saquearam a Basílica de São Pedro; em 1084 pelos Normandos, que incendiaram a cidade, destruindo ruínas romanas; em 1527 pelas tropas Imperador espanhol Carlos V, que mataram todas as tropas da cidade e pilharam e destruíram todos os edifícios religiosos.

   Os Vândalos foram até bastante civilizados e ruínas de povoações vândalas mostra que tinham edifícios de traço romano, que contribuíram para preservar numa época tumultuosa. Mas, no início do século XIX, em França, o bispo Henri Grégoire idealizava a Época Clássica e Godos e Visigodos foram apontados como inimigos e destruidores da Civilização. Injustamente, tendo em conta a profunda influência que os Vândalos e outros povos germânicos tiveram na criação da cultura europeia. É de salientar que a História Europeia, desde a queda do Império Romano do Ocidente, foi escrita pelos povos Germânicos e seus descendentes (a Península Ibérica foi depois conquistada e influenciada pelos Mouros e a Europa do Norte pelos Víquingues). Os cristãos que fizeram a Reconquista Cristã, reconquistando aos Mouros a Península Ibérica, eram descendentes dos povos germânicos e as populações dos países europeus descendem dos povos germânicos. Ser Europeu significa ser Germânico!

6 pensamentos em “131. Vândalo civilizado

  1. I absolutely love your blog and find the majority of your post’s to
    be exactly what I’m looking for. can you offer guest writers to write content for
    yourself? I wouldn’t mind writing a post or elaborating on a lot of the subjects you write in relation to
    here. Again, awesome weblog!

  2. I don’t know if it’s just me or if perhaps everyone else experiencing problems with your website.

    It appears like some of the written text within your content are
    running off the screen. Can somebody else please comment
    and let me know if this is happening to them as well?
    This could be a issue with my browser because I’ve had this happen before.
    Thanks

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *