Arquivo de etiquetas: Origem das palavras

3. Península de Ismael

   Diversos são os nomes pelos quais os povos de religião muçulmana são referidos na História de Portugal como Árabes, Sarracenos, Berbéres entre outros. Eis a origem de cada um desses nomes

   Na História de Portugal, surgem frequentemente referências a nomes como Muçulmanos, Mouros, Sarracenos, Mamelucos ou mesmo os Berbéres. Modernamente surge também o incorreto Islamita. Apesar de serem frequentemente usadas como nome para os conquistadores muçulmanos da Península Ibérica no século 8, não o são verdadeiramente.

   Mouro é uma palavra que chegou ao Português (e outras línguas românicas) através do Latim «Mauro», que dMauritaniaesignava os originários do Norte de África. No império romano, existiam 2 Mauritânias (Mauretania Tingitana e a Mauretania Caesariensis, daí o nome do moderno país Mauritânia), onde vivia o povo Mauri. Através da evolução das línguas, «Mauro» tornou-se «Mouro» (Camões referiu-se ao «furor Mauro» nos Lusíadas).
A palavra «moreno» deriva de «mouro».

Sarracenos eram um povo que habitava na península Arábica (referidos por Ptolomeu, no século 2 DC, como Sarakenoi) mas que não eram muçulmanos (a religião islâmica surgiu apenas no século 7 DC) e tinham a fama de viverem em tendas no deserto e fazerem pilhagens no Império Bizantino, através do qual o nome chegou às línguas europeias. Os sarracenos eram descritos como um povo militarmente hábil que se opunha ao Império Romano, que os classificava como bárbaros.

Mameluco
Mameluco

Mamelucos foram o grupo de elite militar de várias sociedades muçulmanas, que existiu entre os séculos 9 e 19. Originalmente eram escravos tornados guerreiros (que é o significado original de Mameluco) mas cujo poder e influência política cresceu entre os séculos 9 e 19, tendo subido ao poder no Egito durante a Idade Média.

Berbéres (do termo grego bàrbaros, βάρβαρος) são um grupo étnico do norte de África que se estende do Atlântico ao Egipto e que tiveram um papel fundamental na conquista muçulmana da Península Ibérica no século VIII.

IslãoMuçulmano (da palavra árabe “aslama“, que significa “submetido a Deus”) é todo aquele que professa a fé islâmica, sejam ou não árabes (naturais da Arábia).
O neologismo em voga tem sido «Islamita» mas Muçulmano existe com esse significado. Seria compreensível «Ismaelita», de «Ismael». As 3 principais religiões monoteístas (Judaísmo, Cristianismo e Islamismo) dizem-se descendentes de Abraão. Os seus dois primeiros filhos tinham os nomes de Ismael e Isaac. Ismael, o mais velho (referido pelos textos sagrados das três religiões), é encarado como o antepassado dos Árabes (e logo dos Muçulmanos) e o segundo mais velho, Isaac, como o antepassado da religião Judaica (e consequentemente da Cristã, já que esta surgiu como uma seita da primeira). Assim, Ismaelitas são os filhos de Ismael e logo são os Árabes e os Muçulmanos em geral.                             Há também um grupo religioso Shiita com este nome, por seguirem os ensinamentos de Isma’il ibn Jafar.

Nem todos estes grupos muçulmanos tiveram o mesmo peso na conquista da Península Ibérica mas estes termos são frequentemente usados como sinónimos. Mas é importante saber a distinção entre eles.

   O Quarto Crescente não é o símbolo do Islão, era apenas o símbolo do Império Otomano e adotado pelos países muçulmano do Médio Oriente que lhe sucederam. Muitos países muçulmanos não têm o quarto crescente na sua bandeira, como a Indonésia, Marrocos, Sudão, Afeganistão, Iémen, Nigéria, Somália…